26 de maio de 1999

0

A canção tocou na hora certa

Posted in
Ana Carolina, 24, com cinco anos de carreira, está se destacando pela inclusão de sua gravação da música "Garganta" (Totonho Villeroy), na novela "Andando nas Nuvens" da Rede Globo. Foi essa gravação que possibilitou a Ana Carolina a revelação ao grande público, algo que ela chama de "amplificação do artista".
Enquanto a mídia impressa compara sua voz grave com a voz das consagradas cantoras Cássia Eller e Zélia Duncan, ela vai logo afirmando que em sua formação musical bebeu mesmo foi na fonte da música brasileira antiga. Segue no tom quase revoltado das canções que gravou em seu CD de estréia, que vai das inéditas de "Agora ou Nunca" de Arnaldo Antunes, "O Melhor de Mim" de Frejat em parceira com Paulinho Moska e Dulce Quental e "Perder Tempo com Você" de Alvin L., passando pelas tradicionais "Retrato em Branco e Preto"(Chico Buarque/Tom Jobim) e Beatriz (Chico Buarque/Edu Lobo), até a colagem definitiva dos azulejos do mosaico musical que sua garganta revelou.










COM VOCÊS, ANA CAROLINA.

Como surgiu a música "Garganta"?
Essa música o Totonho fez pra mim num show em Belo Horizonte. Ele estava lá assistindo e a gente não se conhecia. Ele foi escrevendo a letra durante show e no final me procurou e disse: eu fiz essa letra pra você e acho que tem tudo a ver. Na hora eu fiquei muito emocionada e dois dias depois ele me mandou a fita com letra e música e desde então não parei mais de cantar.

Quais são suas influências musicais?
Sempre gostei das canções antigas de Cartola, Geraldo Pereira e Lupicínio Rodrigues. Atualmente tenho ouvido o CD do Farofa Carioca e do Otto. Gosto do Pedro Camargo Mariano e da voz de Ed Motta, como cantor. Gosto muito de Maria Bethânia, porque parece que sua interpretação é maior que a vida, mas eu procuro estar antenada com tudo que está acontecendo nessa virada de milênio, até ouvir CDs de pessoas desconhecidas.
Essa música o Totonho fez pra mim num show em Belo Horizonte. Ele estava lá assistindo e a gente não se conhecia. Ele foi escrevendo a letra durante show e no final me procurou e disse: eu fiz essa letra pra você e acho que tem tudo a ver. Na hora eu fiquei muito emocionada e dois dias depois ele me mandou a fita com letra e música e desde então não parei mais de cantar. 

O que você achou sobre a escolha dessa música para tema de novela?
Achei interessante porque não é uma música que fala de amor, como é comum em tema de novela. É uma música mais revoltada.


Como o público está te recebendo depois da repercussão de sua música?
Tenho recebido muitos telefonemas e cartas de pessoas interessadas na minha música. São músicos, jovens de vinte e poucos anos, pessoas que dizem ter a cara do disco. É um público diversificado mais ou menos como o meu liqüidificador que mistura balada com um quase tango moderno, músicas inéditas com músicas como "Retrato e Branco e Preto" e "Beatriz".


Você tem algum esquema para compor?
Componho de maneira mais intuitiva do que racional, a música vem naturalmente, sem pensar. Por exemplo a música "Armazém" eu fiz só no pandeiro, à capela mesmo. Foi como aquela coisa da caixa de fósforo junto com a melodia, depois os acordes foram saindo.


Como você está sentindo sua entrada na mídia?
Bem, eu já tinha uma carreira antes e havia tocado em várias cidades. Eu ia nas rádios, as vezes gravava lá mesmo uma música em MD e a rádio veiculava na programação, enfim, as pessoas me conheciam mas não era uma coisa muito grande. Agora eu vejo que gravar com uma multinacional funciona como um amplificador. As pessoas passam a te conhecer em maiores proporções e pra mim a resposta do público está sendo muito boa.

Ana Carolina - BMG
1. Tô Saindo (Totonho Villeroy)
2. Alguém Me Disse (Evaldo Gouveia/Jair Amorim)
3. Nada Pra Mim (John)
4. Trancado (Ana Carolina)
5. Armazém (Ana Carolina)
6. Garganta (Totonho Villeroy)
7. A Canção Tocou na Hora Errada (Ana Carolina)
8. Tudo Bem (Lulu Santos)
9. Agora ou Nunca (Arnaldo Antunes)
10. Melhor de Mim (Frejat/Paulinho Moska/Dulce Quental)
11. Retrato em Branco e Preto (Chico Buarque/Tom Jobim)
12. Perder Tempo com Você (Alvin L.)
13. avesso dos Ponteiros (Ana Carolina)
14. Beatriz (Chico Buarque/Edu Lobo),
15. Tô Caindo Fora (Ana Carolina/Marilda Ladeira/Fernando Barreira)


Fonte: Revista Borage interativa

0 comentários:

Comenta..vai!

5 de maio de 1999

0

Belo Futuro

Posted in


Ana Carolina lembra, de fato, Cássia Eller. Os timbres de ambas as cantoras são muito parecidos. Mas Ana não é uma cópia de Cássia. Ela vem mais na trilha de Zélia Duncan, mas despista qualquer comparação com seu promissor CD de estréia. Sobretudo porque Ana também compõe e apresenta um trabalho autoral de bom nível. Ainda que os destaques maiores sejam Garganta e Tô Saindo, duas pérolas que deverão pôr o talentoso autor Totonho Villeroy em grande e merecido lugar.

O disco revela uma autora interessante. Vale registrar Armazém, faixa em que Ana toca pandeiro (ela chegou a ser conhecida no meio musical como “a cantora que toca pandeiro”). No quesito recriações, a intérprete não faz feio. É óbvio que músicas como Beatriz já ganharam versões mais refinadas. Mas Ana tem personalidade e ela sabe reconstruir, a seu modo e sem reverência, um clássico como Retrato em Branco e Preto.

Arnaldo Antunes confirma o talento ímpar em Agora ou Nunca e é interessante notar que sua música cresce em outras vozes (ainda que Arnaldo tenha progredido, e muito, do primeiro disco para cá). Já Alvin L. mostra-se apenas mediano em Perder Tempo com Você. Nada que tire o brilho da estréia de Ana Carolina em disco.

Fonte: Mauro Ferreira - Jornal O Dia

0 comentários:

Comenta..vai!

“Eu respeito muito a música e ela me dá isso de volta...”- Ana Carolina